Revista Science publica carta de professor brasileiro sobre ciência e corrupção


"Se você tivesse sido eleito para o mais alto cargo de sua nação, como usaria a ciência para resolver o maior desafio de seu país?" Respondendo a essa pergunta, o professor Guilherme Santos, da Farmacologia Molecular da UnB, publicou uma carta na edição de 4 de janeiro da Science, uma das revistas científicas mais prestigiadas do mundo. A publicação promoveu um concurso sobre o tema e recebeu aproximadamente 200 respostas de cientistas de todo o mundo, das quais 14 foram selecionadas. O artigo de Guilherme aponta a preocupação com a corrupção e a formação científica desde o ensino básico como fator essencial para solucionar o problema.

"Indiretamente, a corrupção mata mais do que o câncer ou a aids. Se esses bilhões de reais fossem investidos em saúde, educação ou ciência, certamente o progresso deste país seria mais rápido do que se imagina. Educação científica de base para os nossos jovens, que serão os futuros políticos, seria a principal estratégia para uma ação de longo prazo", diz a carta. Leia a íntegra em http://scim.ag/NextGen5Results

De acordo com Guilherme, essa educação poderia ser feita por meio da aproximação de alunos do ensino fundamental e médio, a partir dos 12 anos, com laboratórios universitários e estudantes de pós-graduação. "Em princípio poderia haver ajuda do governo para que os pós-graduandos pudessem, junto com os professores, dar aulas semanais para alunos das escolas, trazê-los para nossos laboratórios e complementar a formação com experimentos", explica.

Essas ideias tomaram forma a partir de sua experiência como pesquisador visitante da Universidade da Califórnia (EUA), em 2005. "Lá, voluntariamente doutorandos iam para escolas de áreas mais carentes e davam palestras sobre ciência. Aqui no Brasil formamos 10 mil doutorandos por ano. Imagine se eles tivessem acesso direto às escolas por meio de projetos de extensão".

Guilherme acredita que esse contato poderia mudar a compreensão da importância da ciência em todo país. "O Brasil é excelente produtor em diversas áreas, mas não compete em ciência porque a massa crítica é muito pequena. Precisamos fomentar discussões desde cedo, fazendo as crianças se perguntarem: "O que é o bóson de Higgs?". Ou: "Por que vemos a lua?", exemplifica.

A expectativa do pesquisador e de outros colegas da UnB é que o governo se sensibilize para financiar e organizar este tipo de ação. "Não dá para medir impacto ainda, mas a gente espera que a (presidenta) Dilma Rousseff ouça e esse se torne um projetinho nas escolas", brinca Guilherme. "Em termos de repercussão, as três maiores revistas do mundo são a Science, a Nation e o New England Journal. A gente comemorou quando a carta dele foi aprovada. É um fato realmente importante", completa o diretor do Laboratório de Farmacologia Molecular da UnB, Francisco Neves.

Guilherme Santos é graduado em Veterinária pela Universidade Federal de Uberlândia, mestre e doutor em Patologia Molecular pela UnB. Fez doutorado sanduíche com passagem na Universidade de Cergy-Pontoise e Inserm-Paris. Realizou pós-doutorado no Medical Medical Research Council-Laboratory of Molecular Biology (MRC-LMB), Cambridge, e na Universidade de Leicester, Inglaterra. Atua principalmente em estudos de interação proteina-DNA, receptores nucleares e cromatina. É professor da Faculdade de Ciências da Saúde da UnB.



In developing growth, Brazil has been recognized as a significant exporter of new tendencies in music, art, and sports. The Brazilian scientific scenario is also changing; it produces half a million graduates and 10,000 PhDs a year, 10 times more than two decades ago, with a significantly increased scientific publication record. However, this nation has been confronting several matters of different natures. Besides all the problems that affect its population, such as unequal wealth distribution, tropical diseases, and drugs, corruption is probably the most important cause of the retard of the Brazilian economy, breaking the fast development. The idea of exchanging favors to reach the aim of a minority has been prospering in the Brazilian politics for a long time. The corruption stamp has marked several Brazilian governments. Indirectly, it kills more than cancer or AIDS. If these billions of reais (Brazilian currency) were invested in health, education, or science, certainly, the progress of this country would be faster than one could imagine. Basic scientific education for our youngsters, who will be the future politicians, would be the main strategy for a long-term action. Ideally, every high school should be directly associated with a research laboratory in which its masters and PhD students should be responsible for giving tutorials for the young apprentices. If we can implement the Max Perutz certainty that "in science truth always wins," maybe it will force national leaders to recognize that everybody plays on the same team and in the same World Cup.
Guilherme Martins Santos
Laboratory of Molecular Pharmacology, Department of Pharmaceutical Sciences, Faculty of Health Sciences, University of Brasília, Brazil. CEP 70910-900, Brazil.
E-mail: gsantos@unb.br

Um comentário:

  1. Concordo plenamente com você quando menciona, que a corrupção mata mais que o cãncer ou a aids. Tudo que se relaciona a saúde, educação ou ciência no Brasil, é tratado com muito descaso. Infelismente o Brasil tem passado por muitas crises de corrupção, mas acredito que, o povo brasileiro tem muita culpa em tudo isso. O povo não se une, não luta por seus direitos, não luta para dar uma qualidade de vida melhor a si mesmos e nem pensam nas grações futuras, para muitos uma cestinha básica é suficiente. E, é assim que o governo vai tapeando o povo e deixando-os cada vez mais como cordeirinhos, assim não sofrem tanta pressão para investirem no que realmente um povo precisa para viver com dignidade. Para um governo corrupto o melhor meio de enfiarem o dinheiro no bolso de seus governantes é ter um povo que não questiona e não exige nada... Um povo que não pensa... Um povo que só diz... Amém!!!!

    ResponderExcluir